Carregando...
JusBrasil - Legislação
24 de outubro de 2014

Lei 11232/06 | Lei nº 11232 de 11 de outubro de 2006

Publicado por Câmara Municipal da Juiz de Fora (extraído pelo JusBrasil) - 8 anos atrás

LEIAM 0 NÃO LEIAM

INSTITUI A TAXA DE COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - TCRS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Ver tópico (12902 documentos)

A Câmara Municipal de Juiz de Fora aprova e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º Fica instituída a Taxa de Coleta de Resíduos Sólidos - TCRS, destinada a custear os serviços públicos específicos e divisíveis de coleta, transporte, tratamento e destinação final de resíduos sólidos prestados pelo Município de Juiz de Fora. Ver tópico (1 documento)

Art. 2º Constitui fato gerador da Taxa de Coleta de Resíduos Sólidos - TCRS, a utilização, efetiva ou potencial, dos serviços públicos específicos e divisíveis de coleta, transporte, tratamento e destinação final de resíduos sólidos residenciais e não-residenciais prestados pelo Município. Ver tópico

§ 1º A Taxa de Coleta de Resíduos Sólidos - TCRS incide sobre cada um dos imóveis edificados, localizados em vias ou logradouros beneficiados pelos serviços públicos específicos e divisíveis de coleta, transporte, tratamento e destinação final de resíduos sólidos, residenciais e não-residenciais, no Município de Juiz de Fora/MG. Ver tópico

§ 2º A utilização potencial dos serviços de que trata o caput deste artigo ocorre no momento de sua disponibilização aos usuários, para fruição. Ver tópico

Art. 3º Consideram-se resíduos sólidos, para efeito de quantificação do tributo de que se trata o art. 1º desta Lei, aqueles cujo volume por coleta não ultrapassem 200 (duzentos) litros ou 100 (cem) quilogramas, ficando excluídos desta classificação: Ver tópico (4 documentos)

I - os resíduos sólidos urbanos que excedam o volume de 200 (duzentos) litros ou 100 (cem) quilogramas; Ver tópico

II - o mobiliário inservível como: móveis, colchões, utensílios de mudanças e outros similares, eletrodomésticos ou assemelhados; Ver tópico

III - resíduos de oficinas e indústrias; Ver tópico

IV - entulhos, terras e resto de materiais de construção; Ver tópico

V - restos de limpeza e poda de jardins, pomares, hortas e quintais particulares; Ver tópico

VI - o resíduo perigoso produzido em unidades industriais e que apresente ou possa apresentar riscos à saúde pública ou ao meio ambiente; Ver tópico

VII - o resíduo infectante resultante de atividades médico-assistenciais e de pesquisa produzido nas unidades de trato de saúde humana ou animal, composto por materiais biológicos ou perfuro-cortantes contaminados por agentes patogênicos, que apresentem ou possam apresentar riscos potenciais à saúde pública ou ao meio ambiente; Ver tópico

VIII - o resíduo radioativo, composto ou contaminado por substâncias radioativas; Ver tópico

IX - os resíduos como lodos e lamas, gerados em estações de tratamento de águas ou de esgotos sanitários ou de fossas sépticas ou postos de lubrificação de veículos ou similares; Ver tópico

X - os materiais de embalagens de mercadorias para proteção e/ou transporte, que apresente algum tipo de risco de contaminação do meio ambiente; Ver tópico

XI - resíduos outros não definidos como resíduo sólido urbano domiciliar. Ver tópico

§ 1º Os geradores dos resíduos relacionados nos incisos I a V deste artigo, são considerados grandes geradores e poderão os resíduos ser transportados pelos interessados para local previamente designado pelo ente gerenciador dos serviços públicos de coleta de resíduos da municipalidade ou coletados por este ente, mediante a cobrança de Preço Público específico, fixado por ato do Poder Executivo. Ver tópico

§ 2º Os geradores dos resíduos relacionados nos incisos VI a XI deste artigo são responsáveis exclusivos de seus resíduos, incluindo gestão, manuseio, coleta, transporte, tratamento e destinação final, ficando sujeitos às normas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA, pelo Conselho Nacional de Energia Nuclear - CNEN e pela Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT e as condições estabelecidas pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente - COMDEMA. Ver tópico

Art. 4º A base de cálculo da Taxa de Coleta de Resíduos Sólidos - TCRS é equivalente ao custo dos serviços de coleta, transporte, tratamento e destinação final de resíduos sólidos a que se refere o art. 1º desta Lei. Ver tópico (2 documentos)

§ 1º O custo dos serviços acima especificados será dividido entre os contribuintes da taxa, conforme definidos no art. 6º, na proporção do volume de geração potencial de resíduos sólidos, de acordo ainda com a destinação do imóvel e com a periodicidade com a qual ocorre a prestação dos serviços. Ver tópico

§ 2º Cada unidade autônoma receberá uma classificação específica, conforme a destinação do imóvel e em conformidade com a Tabela que integra o Anexo I desta Lei. Ver tópico

Art. 5º O valor da taxa será obtido multiplicando-se o valor referência, definido no Anexo I, pela freqüência semanal da coleta. Ver tópico (1 documento)

§ 1º O valor da Taxa de Coleta de Resíduos Sólidos - TCRS terá como limite anual máximo o valor lançado a título de Imposto Sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU, para o imóvel e exercício financeiro ao qual a mesma se refere. Ver tópico

§ 2º No caso de imóveis contemplados com imunidade tributária ou qualquer tipo de benefício fiscal previsto na legislação municipal do Imposto Sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU, aplicar-se-á o disposto do parágrafo anterior, considerando-se o valor original do IPTU, sem os efeitos da imunidade tributária ou do benefício fiscal, se for o caso. Ver tópico

Art. 6º O sujeito passivo da Taxa é usuário dos serviços descritos no art. 1º desta Lei, que seja proprietário ou possuidor, a qualquer título, de imóveis edificados, localizados em vias ou logradouros beneficiados por eles. Ver tópico (3 documentos)

Art. 7º Estão isentos do pagamento da Taxa de Coleta de Resíduos Sólidos: Ver tópico (3 documentos)

I - os entes da Administração Indireta do Município, no que concerne aos imóveis de sua propriedade, quando utilizados exclusivamente em seus serviços; Ver tópico

II - os aposentados e pensionistas, quanto ao imóvel único de que sejam proprietários ou usufrutuários ou que tenham adquirido da COHAB/MG, mediante contrato lavrado em instrumento oficial do órgão, atendidos em qualquer caso, os seguintes requisitos: Ver tópico (2 documentos)

a) residência efetiva do beneficiário no imóvel; Ver tópico

b) comprovação de renda mensal igual ou inferior a dois salários mínimos e meio. Ver tópico

Art. 8º A Taxa de Coleta de Resíduos Sólidos - TCRS será lançada anualmente e cobrada isolada ou em conjunto com outros tributos, a critério do Município, devendo constar das notificações, a indicação da mesma, bem como seu respectivo valor. Ver tópico (3 documentos)

Parágrafo Único - Aplica-se à Taxa de Coleta de Resíduos Sólidos - TCRS, no que couber, os dispositivos legais referentes aos tributos lançados em conjunto. Ver tópico

Art. 9º Esta Lei entra em vigor em 1º de janeiro de 2007, observando-se, para que possa gerar os seus jurídicos efeitos, o prazo de noventa dias, contados a partir da data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário, especialmente os arts. 177 a 184, da Lei nº 5.546, de 26 de dezembro de 1978 (Código Tributário Municipal) e o art. da Lei Municipal nº 7.688, de 14 de fevereiro de 1990. Paço da Prefeitura de Juiz de Fora, 11 de outubro de 2006. Ver tópico (1 documento)

ALBERTO BEJANI

Prefeitura de Juiz de Fora.

RENATO GARCIA

Secretário de Administração e Recursos Humanos.

ANEXO I

Destinação do imóvel........Valor referência (R$)

(custo unitário anual de uma coleta semanal)

Residencial..............................R$ 60,00 Não residencial.........................R$ 120,00

0 Comentário

Faça um comentário construtivo abaixo e ganhe votos da comunidade!

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "gritar" ;)

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi. O JusBrasil pode te conectar com Advogados em qualquer cidade caso precise de alguma orientação ou correspondência jurídica.

Disponível em: http://c-mara-municipal-da-juiz-de-fora.jusbrasil.com.br/legislacao/321879/lei-11232-06